Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de
Ensino de Presidente Prudente e Região

NOTÍCIAS DO DIA
Bolsonaro não repassa verba da BNCC, promotoria investiga máfia das creches, ‘reforma’ trabalhista abriu flanco para demissões em massa, e mais.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Como se sindicalizar, passo a passo. Veja aquihttp://fepesp.org.br/noticia/sindicalize-se/.

 



Bolsonaro segura R$ 105 mi e empaca
a implementação da base curricular

Folha de S. Paulo; 16/09
http://bit.ly/2mkDUgC

O governo Jair Bolsonaro (PSL) não fez até agora repasses de R$ 105 milhões previstos neste ano para a implementação da Base Nacional Comum Curricular, que define o que os alunos da educação básica devem aprender. A decisão atrasa o cronograma de construção de currículos estaduais e trava a concretização da reforma do ensino médio. Passados mais de cinco meses, os estados aguardam os repasses para viabilizar um processo que envolve a atuação de professores especialistas para, por exemplo, redigir textos de várias áreas de conhecimento.

 

Promotoria apura irregularidades
e elos políticos em creches terceirizadas

Folha de S. Paulo; 16/09
http://bit.ly/2mkinVh

O Ministério Público abriu inquérito civil para apurar possíveis irregularidades nas creches na cidade de São Paulo e a proximidade entre entidades gestoras e políticos. A Polícia Civil realizou operação na quinta-feira (12) para verificar desvios de verbas e até de alimentos em entidades terceirizadas de ensino infantil que prestam serviços ao município. Um dos pontos que deve ser esclarecido pela Promotoria é em relação aos imóveis alugados pela Sobei —perto da metade do valor gasto vai para um único proprietário, Benjamin Ribeiro da Silva, ligado à entidade. Benjamin Ribeiro da Silva é presidente do Sieeesp.

 


Assembleia do Paraná derruba projeto
de ‘escola sem partido’ no estado

Rede Brasil Atual; 16/09
http://bit.ly/2lYp6DY

Depois de quase três anos de tramitação e muita polêmica, a Assembleia Legislativa do Paraná derrubou nesta segunda-feira (16) o Projeto de Lei (PL) 606/2016, o da chamada “escola sem partido”. Foram 27 votos contra a iniciativa e 21 favoráveis. Era preciso maioria simples para aprovação. O texto, que fala em “neutralidade política, ideológica e religiosa” do Estado, era de autoria de Ricardo Arruda e do agora deputado federal Felipe Francischini, ambos do PSL, partido de Jair Bolsonaro. Também estabelecia que cartazes fossem colocados em todas as escolas para determinar “limites” aos professores, para evitar “doutrinamento”.

 

Artigo | Brasil na contramão do ensino técnico
O Globo; 16/09
https://glo.bo/2kQZoRR

Por Antônio Gois: Apenas 8% dos alunos brasileiros concluíram o ensino médio com uma formação em nível técnico. É um percentual baixíssimo, considerando que, na média da OCDE (organização que congrega, em sua maioria, países desenvolvidos), ele chega a 40%. Esses são dados que constam do relatório Education at a Glance, divulgado na semana passada pela OCDE. Há pouca divergência no meio educacional sobre a necessidade de expandir a modalidade. Tanto que o Plano Nacional de Educação estipulou como meta até 2024 triplicar o número de matrículas, o que significa chegar a um patamar de 5,2 milhões de alunos. Não estamos nem próximo disso (são 1,8 milhão hoje), e nada indica que, no atual ritmo, chegaremos lá.

 

 


Secretário do MEC anuncia planos
para formação de professores e diretores

O Globo; 17/09
https://glo.bo/2lQH2k1

O Ministério da Educação (MEC) planeja duas iniciativas para aperfeiçoar a formação de professores e a gestão de escolas no país, de acordo o secretário de Educação Básica, Janio Endo Macedo. A primeira é o “Forma Brasil Docente”, que deve funcionar como uma base federal para formação de professores. O programa vai incorporar as demandas surgidas com a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) , documento que define as diretrizes para os currículos da educação básica, e também as alterações nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) da formação docente, atualmente em discussão no Conselho Nacional de Educação (CNE).

 

Artigo | Há um teto do meio do caminho do ‘Future-se’
Valor Econômico; 17/09
http://bit.ly/2mlSJQ1

Por Gregório Grisa: Se as instituições arrecadarem mais do que o previsto, elas não podem executar o valor da diferença. A previsão de despesas com receita própria é considerada gasto primário e, portanto, entra no cálculo do teto de gastos. Um eventual aumento na previsão dessa despesa poderá ser compensado com redução de recursos ordinários ou destinados à destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino. Eis o paradoxo, se arrecado mais, meu orçamento não necessariamente cresce, inclusive, posso perder recurso oriundos do Tesouro Nacional. Não tem lógica.

 

Artigo | Má fama lá fora
Estadão; 15/09
http://bit.ly/2mlMfAE

Por Renata Cafardo: Não só o ambiente e a Amazônia queimando têm causado impacto negativo na imagem do Brasil lá fora. Dados internacionais divulgados sobre educação provocaram reações inéditas no exterior na semana passada. A editora do mais prestigiado ranking de universidades do mundo comentou o resultado do Brasil este ano dizendo que “a crescente hostilidade do governo atual em relação à educação superior inspira pouca confiança”.

 

Inovação na balbúrdia: presença de empresas
juniores cresce nas universidades brasileiras

Folha de S. Paulo; 16/09
http://bit.ly/2kOjXhK

Com a participação de 5.121 universitários de todo o Brasil, o 26º Encontro Nacional de Empresas Juniores (ENEJ) transformou a cidade de Gramado (RS) na capital do empreendedorismo jovem no país entre 4 e 7 de setembro. O evento é o mais esperado do ano por estudantes que fazem parte de empresas juniores, organizações criadas por alunos do ensino superior para que possam praticar o que aprendem em aula por meio da vivência empresarial.

 

Kroton e Facebook firmam parceria para capacitar empreendedores
Segs; 16/09
http://bit.ly/2lXF6q8

A Kroton, uma das principais organizações educacionais do mundo, soma esforços com o Facebook para levar o seu programa de desenvolvimento gratuito, o Impulsione com Facebook, para ainda mais pessoas. O programa ajuda as micro e pequenas empresas de todo o Brasil a aprenderem sobre marketing digital para poderem aumentar as vendas e crescer.

 

 



Reforma trabalhista abriu flanco para demissões
em massa nas universidades particulares

SP Bancários; 16/09
http://bit.ly/2mmCRgh

Menos professores, salários mais baixos e mais lucros. É assim que as instituições particulares de ensino superior têm se comportado a partir da reforma trabalhista, aprovada no governo de Michel Temer, em novembro de 2017. A crítica foi feita pelo presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo, Celso Napolitano, ao participar, na Câmara dos Deputados, em Brasília, de audiência na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público no dia 12. “Os professores se sujeitam aos baixos salários por falta de emprego, como o caso da (universidade) Estácio de Sá, que demitiu 1.200 pessoas, e disse que fazia isso para aproveitar novas regras de contratação”, criticou.

 

Jundiaí: Diretor do Sinpro é homenageado na Câmara Municipal
Sinpro Jundiaí; 16/09
http://bit.ly/2kpSClU

No último dia 6 de setembro, a Prefeitura Municipal de Jundiaí e o Conselho Regional de Educação Física (CREF), em solenidade realizada na Câmara Municipal, homenagearam os profissionais de Educação Física que se distinguiram por sua qualidade técnica e pela relação de carinho e respeito que estabelecem em suas atividades. Entre os homenageados, destacamos o professor Romário Mateus Franco dos Santos, que também é diretor sindical no Sinpro Jundiaí.

 

 


Artigo | Serão os livros nossas pedras?
Folha de S. Paulo; 17/09
http://bit.ly/2klqC2F

Por Vera Iaconelli: A luta pela educação e contra a censura tem se mostrado o único ponto de convergência de uma oposição que se mantém desbaratinada. Não seriam, então e mais do que nunca, os livros, como formas de transmissão da arte e da ciência, nossas armas? E como tais, serão pedras diante de tanques ou diante da arrogância de um Golias? Seja como for, só nos resta empunhá-los.

 

Há 50 anos: Junta Militar torna educação moral
e cívica disciplina obrigatória em escolas do Brasil

Folha de S. Paulo; 17/09
http://bit.ly/2lSzT2M

1969: O Diário Oficial da União desta segunda-feira (15) trouxe publicado o decreto-lei nº 869, que institui “em caráter obrigatório, como disciplina e como prática educativa, a educação moral e cívica nas escolas de todos os graus e modalidades de ensino do Brasil”. De acordo com a Junta Militar, o decreto-lei tem como finalidade a defesa do princípio democrático, “através da preservação do espírito religioso, da dignidade e do amor à liberdade com responsabilidade, sob inspiração de Deus”.